terça-feira, 15 de abril de 2014

SETE






Sete dias, sete meses ou sete anos; era o número que a vidente dissera que demoraria para que o feitiço fosse quebrado. Sempre o número sete; se o caso fosse difícil demais, sete dias; mas se houvesse, por parte de quem fez o trabalho, magia forte e eficaz, ele duraria sete meses; caso o trabalho fosse muito bem feito,  e aquele contra o qual ele fora requisitado o merecesse, poderia durar sete anos. Depois daquilo, a magia seria quebrada.

Alicia andava pela casa, passando a mão pelas paredes do corredor. Ouvia o relógio antigo marcando as horas, minutos e segundos que faltavam. Seriam sete dias, meses ou anos? Lá fora, a chuva caía em gotas grossas e pesadas, e o cheiro de terra molhada entrava na casa pela porta da varanda. Algumas gotas iam cair no chão de piso hidráulico antigo e gasto.

Alicia sentou-se na cadeira de balanço que pertencera a avó, e segurou a barra do vestido branco. Nervosa, puxou uma linha solta que estava pendurada na renda. O portão fechado e quase escondido pelas moitas coloridas de buganvílias brancas, vermelhas e alaranjadas, isolava os sons da rua. O caminho molhado e não percorrido dava à cena uma certa melancolia que chegava ao coração  de Alicia com intensidade brutal.

O sininho de vento enferrujado que ficava pendurado em um dos caibros do telhado da varanda tocou de mansinho, como se anunciasse algum acontecimento. Sissi, a gata, foi deitar-se no colo da dona, transformando-se em uma bola branca ronronante e quente. Alicia passou as mãos pelo corpo macio da gata distraidamente. Seu pensamento estava agora bem longe dali; lembrava-se daquela tarde em que fora consultar a tal vidente, aconselhada por sua amiga Giulia. "Ela nunca erra," a amiga garantiu. "Se houver alguma coisa, você sabe... ela dirá."

Alicia não acreditava muito naquelas coisas, mas foi, mesmo assim, apenas para agradar à amiga bem-intencionada. Chegaram ao portão vermelho de uma casinha branca que ficava em um bairro de classe média. Alicia parou o carro. A amiga disse que esperaria por ela no veículo, o que a deixou insegura, mas Giulia garantiu-lhe que era melhor assim; gente demais poderia desconcentrar Madame Mara (aquele era o nome da vidente).

Assim, Alicia foi caminhando até a porta, que encontrou entreaberta. Bateu palmas, e uma voz rouca e forte ao mesmo tempo, gritou lá de dentro: "Pode entrar!" Ela empurrou a porta, que rangeu, e viu-se em uma sala de visitas pequena e bastante comum, decorada com um sofá de couro falso marrom, uma mesa de centro nua que ficava sobre um velho tapete bege com desenhos de flores desbotadas, uma outra mesinha de canto perto da janela, onde havia a única coisa bonita por ali: um vaso de margaridas brancas sobre um paninho de croché. O piso de madeira não era encerado, mas parecia bem varrido. Alicia hesitou, tentando adivinhar de onde vinha a voz que a convidara a entrar, quando escutou-a novamente: "Entre, meu bem."

Ela percebeu que a voz vinha lá dos fundos da casa, e dizendo um "Com licença" cheio de pudor, Alicia foi caminhando pelo corredor, passando pelas portas abertas de dois quartos de dormir simples, uma cozinha arrumada, mas um pouco atravancada (reparou no rádio antigo sobre a pia; quem ainda escutava aquilo, meu Deus?). Chegou a um quartinho que ficava depois da cozinha, dentro da área de serviço. Bateu à porta, embora estivesse apenas encostada, e Madame Mara fez sinal para que ela entrasse e tomasse o assento diante do dela.

Alicia reparou que Madame Mara era, na verdade, uma mulher comum de  meia-idade um pouco gordinha. Não se parecia nada com uma cigana ou vidente: tinha cabelos curtos e castanhos, a raiz branca aparecendo; vestia uma blusa de malha preta, ornada por um colar de contas de plástico multicoloridas e calças de brim vermelhas de um mau gosto terrível. Calçava chinelos de dedo, e as unhas dos pés eram compridas como as das mãos, pintadas de vermelho-escuro.

A luz que iluminava o quarto vinha de uma janelinha alta, um basculante que ficava logo acima de onde a vidente estava sentada. Alicia olhou em volta, mas não havia muito para ver: sobre a mesa, uma toalha branca e gasta, mas muito limpa, e um baralho de cartas de Tarô. Havia um quadro com uma imagem de Cristo em uma das paredes, as duas cadeiras nas quais elas estavam sentadas e mais nada.

Alicia tentou falar do motivo de sua visita, mas Madame Mara fez sinal para que Alicia fizesse silêncio, já embaralhando suas cartas de Tarô e tomando longos e profundos suspiros, os olhos entreabertos... por um instante, Alicia achou que a mulher estava tentando sentir seu cheiro; depois, teve certeza, quando Madame Mara inclinou-se na direção dela e puxou um longo suspiro pelo nariz, que segurou por segundos, soltando o ar pela boca enquanto deitava as cartas. Alicia olhou para as cartas arrumadas sobre a mesa, e a que mais chamou-lhe a atenção mostrava dois personagens que caíam de uma torre. Também reparou em uma outra, na qual um cavalheiro estava de pé entre duas mulheres que pareciam disputar-lhe a atenção, e engoliu em seco ao ver uma que retratava a figura do diabo.

Madame Mara deitou ainda outras cartas ao lado daquelas, e enquanto as observava, apoiou o queixo em uma das mãos em sinal de profunda concentração. Alicia começou a achar toda aquela encenação ridícula, e desejava ir embora, quando madame Mara olhou-a profundamente, fazendo sinal para que permanecesse sentada:

"Você não acredita, não é? Mas ao sair daqui, após ouvir o que tenho a dizer-lhe,  passará a acreditar."

Ela olhou as cartas novamente, apontando-as com as unhas enormes e curvas:

"Vejo que há um feitiço de amarração feito para seu marido... algo muito forte."

Alicia permaneceu em silêncio.

"Quem fez, não teve medo ou dúvida! A intenção é clara: ela quer que vocês se separem, pois deseja ter a sua vida. Ela é... alta e tem cabelos ruivos e curtos... você sabe quem ela é!"

Imediatamente, Alicia lembrou-se de sua nova colega de trabalho, Juliana, a única ruiva  que ela conhecia. Veio-lhe à mente o dia em que dera sua open house, há cerca de três meses, e convidara todas as amigas do escritório, incluindo ela, que fora a primeira a chegar, bem mais cedo que as outras convidadas. Lembrou-se do jeito que ela olhara para João, seu marido, que estava de saída, ao serem apresentados. E também veio-lhe à mente a maneira como ela olhava cada detalhe da casa demoradamente enquanto Alicia guiava-a e às outras amigas pelos cômodos de sua nova residência.

Após aquele dia, Juliana fez de tudo para aproximar-se dela; cobriu-a de gentilezas: levava-lhe cafés no meio da tarde, convidava-a para almoçar e quando Alicia percebeu, já estava contando detalhes íntimos de sua vida para ela. Logo, Juliana passou a frequentar-lhe a casa.

A voz rouca da vidente trouxe-a de volta para o momento presente:

"O feitiço é muito forte, e temo que não posso fazer muita coisa para ajudar... principalmente, porque seu marido nem sequer tentou resistir a ele. Mas sei que todo feitiço tem prazo de validade: pode durar sete dias, sete meses ou sete anos. Enquanto isso, posso aconselhá-la a esperar, ter paciência e crer que ele voltará para você, embora..."

Alicia começou a ficar ansiosa:

"Embora o quê?"

"...Embora eu não tenha tanta certeza assim se você vai querê-lo de volta, moça. Depois de tudo..."

Alícia interrompeu-a:

"Ele é meu marido. Nós nos conhecemos há muito tempo, e eu o amo perdidamente! Tenho certeza de que ele me deixou apenas porque está de cabeça virada, enfeitiçado por aquela falsa... aquela...  mas agora que sei quem ela é, poderei fazer alguma coisa, vingar-me, lutar pelo meu amor!"

Madame Mara, após ouvi-la pacientemente, aconselhou:

"Não faça nada; não será preciso. Ele vai acabar voltando para você. Além disso, seria muito perigoso tentar enfrentá-la. Ela lida com forças muito obscuras e potentes. Seu marido voltará. O único problema, é que não sabemos quando."

"Sete dias, sete meses ou sete anos..."

"Isso mesmo."

"Mas olhe aí, nas suas cartas; não há nenhuma pista?"

Madame Mara respirou fundo, e após embaralhar as cartas novamente,  repetindo todo o ritual, disse:

"Não dá! Ela fechou o jogo. Não consigo ver mais nada! Nunca aconteceu nada parecido antes!"

"Então tente mais uma vez, por favor!"

Madame Mara, de olhos arregalados, levantou-se de repente. Parecia estar mirando alguma coisa terrível logo atrás de Alicia, que ao virar-se quando sentiu uma estranha presença, nada conseguiu enxergar. Ela teve uma horrível sensação de medo, acompanhada de calafrios. Madame Mara apontou-lhe a porta, dizendo:

"Por favor, vá agora. Você precisa sair daqui. Vá embora!!!"

Dizendo aquilo, ela caiu desfalecida. Alicia gritou, tentando acudi-la, mas ela não despertou; correu até o carro onde estava a amiga, pedindo ajuda. Ambas chamaram uma ambulância, que levou Madame Mara para um hospital, onde informaram-nas que Madame tivera um pequeno acidente vascular cerebral. 

Dois dias depois, Alicia teve a confirmação de tudo o que a vidente lhe dissera: sua 'amiga' Juliana demitiu-se do emprego de repente, e ela descobriu que seu marido e juliana estavam morando juntos.

Naquele mesmo dia, ela foi visitar a vidente no hospital. Já mais calma, e com a boca ligeiramente torta, Madame Mara explicou que ficaria bem após um pouco de fisioterapia, e repetiu que não havia mais nada que pudesse fazer por Alicia ou seu marido. Novamente, desaconselhou-a a fazer qualquer coisa que fosse, a não ser rezar bastante ao seu Anjo da Guarda pedindo proteção, todos os dias, acendendo uma vela junto a um copo com água e uma colherinha de açúcar. Explicou que ela não deveria achar estranho se, após a queima de toda a vela, a água do copo ficasse coalhada com pequenas bolinhas pretas; era normal. As bolinhas desapareceriam com o tempo, conforme o anjo fosse fazendo a limpeza.

Alicia seguiu as instruções à risca. Após sete dias, a água do copo tornou-se limpa, mas mesmo assim, ela continuou com o ritual. E percebeu que o marido não voltara...

Um trovão trouxe Alicia de volta àquele momento, no qual a deixamos sentada à varanda da casa, olhando a chuva, com a gata Sissi dormindo em seu colo. Ela olha fixamente para o portão. Seu coração mal consegue suportar a ansiedade que a acomete naquele final de tarde de junho - quando fazem exatamente sete meses desde que o marido se fora.











5 comentários:

  1. Ha um protetor que nos guarda de todo mal... existe muita maldade no mundo... mas o amor ainda é mais poderoso...

    ResponderExcluir
  2. Que o amor vença todos os...7 dias, 7 meses, sete...

    Páscoa feliz e obrigado pelas visitas ao MEU/nosso cantinho
    ******************************
    http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde,
    O sentimento de amor existente em todos os seres vives é muito forte, quando o sentimento se solta é imparável na conquista da felicidade.
    Encantado com a criatividade do texto.
    Dia feliz
    ag

    ResponderExcluir
  4. ANA,

    comentar não vou, mas sim, aplaudir de pé!!!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  5. Perfeito!Estive ausente lidando com um vírus no meu Blog. Agora tudo resolvido, vírus deletado. Tudo volta ao normal.
    Quero-te desejar uma Feliz Páscoa!

    Que continues tentando alcançar tuas estrelas. E que as palavras sejam sempre teu bem maior. Que tragam beleza, encanto e paz e que sejam o condutor de realização dos teus sonhos.

    Forte abraço Eloah

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE EU CONTEI Capítulo 13

 CAPÍTULO 13 Achei estranho que o sol parecia nunca se por naquele lugar, e perguntei sobre isso. Imediatamente, começou a escurecer, e lind...