segunda-feira, 13 de novembro de 2017

AMOR E REVOLTA – capítulo V








AMOR E REVOLTA – capítulo V

Gabi sofria em silêncio. Jane passou a frequentar a casa de Marvin, e também alguns dos seus novos amigos. Eles passavam por ela e Luis na sala, mal falando um “oi”, e iam para a piscina. Gabi percebeu a atenção exagerada que Marvin dedicava a Jane, e o quanto Jane era o centro das atenções. Sentiu-se enciumada. Jamais conseguiria concorrer com alguém como ela. Gabi era o tipo de garota que existia, mas sem demasiado brilho. Era bonita, mas não bonita demais, como Jane. Não era tão rica, nem tão intelectualizada. E não tinha aquele séquito de admiradores. 

Os avós reclamavam porque Marvin raramente estava presente nas reuniões de família nos finais de semana, mas Rafaela sentia um prazer fininho ao perceber que aquilo magoava Helena. Ela dizia que seu filho estava bem, e que pela primeira vez, estava enturmado e tinha muitos amigos, além de estar gostando da escola. Nas poucas vezes em que Marvin se fazia presente, ele ficava apenas alguns minutos – no máximo, uma hora – e logo se despedia de todos, dizendo que tinha que encontrar os amigos.

E as reuniões de final de semana dele passaram a ser na casa de Jane. Ele foi convidado para lá pela primeira vez quando Sunny, a mãe de Jane, fez aniversário. Marvin não estava preparado para o que viu quando naquela tarde de sábado chegou à casa de Jane, e ficou parado junto a piscina, enquanto as pessoas circulavam em volta dele como se ele fosse invisível... completamente nuas. Algumas mulheres usavam apenas bijuterias (ou jóias caras, ele não saberia dizer), ou lenços de seda transparente em volta dos ombros,  e os homens usavam gravatas borboleta. Marvin sentiu-se totalmente deslocado, enquanto ficava parado ali, segurando uma dúzia de rosas – presente que comprara para Jane, que ainda não conhecia, a conselho do pai: “Toda mulher adora flores. E se você não a conhece, é um presente que com certeza vai pegar bem.”

Finalmente, Jane veio caminhando em direção a ele. Totalmente nua. Usava apenas um par de sandálias altas, e os cabelos longos e soltos balançavam suavemente atrás dela como uma aura em volta do seu corpo, conforme ela caminhava. Ela estava magnífica! Marvin quase engasgou ao vê-la. Sem pestanejar, Jane aproximou-se dele, abraçando-o e beijando-o demoradamente na boca. Ele pensou se para ela aquele beijo significava alguma coisa. Quando se separaram, ele disse a primeira coisa que lhe veio à cabeça, apenas para não deixar transparecer o quanto ele se sentia embaraçado:

-E onde está a turma?

Ela respondeu, com naturalidade:

-Só convidei você. É o aniversário de Sunny. Ela me autorizou a convidar apenas um amigo.

Ele percebeu o quanto aquilo fazia dele alguém especial, e alegrou-se. Jane pegou-o pelo braço:

-Venha, vou te apresentar os meus pais.

Ele foi caminhando ao lado dela, tentando não prestar atenção ao fato de que ela estava nua, e ele, muito excitado; Jane foi puxando-o pelo jardim, até que chegaram a um grupo de pessoas que estava de pé em um dos cantos do jardim, tomando champanhe e conversando. Ela cutucou um casal, que virou-se para olhar para ela:

-Sunny, Paco... este é meu amigo Marvin. Ele é novo na escola.

Marvin achou estranho que Jane se referisse aos próprios pais pelo nome, e não chamando-os de mãe ou pai. Ele estendeu a mão, dizendo:

-É um prazer. 

Sunny e Paco cumprimentaram Marvin, que agora sentia os olhos das pessoas fixos nele. Ele entregou as flores a Sunny, que agradeceu sorrindo, acolhendo-o em um abraço apertado. Marvin notou que ela deveria ter quarenta anos de idade. Era quase tão bonita quanto a filha, e estava em muito boa forma. Paco também mostrava músculos cultivados em academia, e uma cor bronze-dourada na pele, ressaltada pelo louro dos cabelos ondulados cortados em camadas. Aquela era a família mais bonita que Marvin já vira. 

Sunny chamou um dos seguranças e entregou-lhe as flores. O homem pegou-as e sem dizer palavra, desapareceu na direção da mansão. Depois, virando-se para Jane, disse:

-Deixe seu amigo mais à vontade, querida. 

E em seguida, olhando para Marvin:

-Minha linda filha vai leva-lo para conhecer a casa. Fique à vontade. Eu digo... literalmente.
Jane pegou Marvin pela mão, e ele a todo momento lutava contra o forte desejo que sentia por ela. Ela mostrou-lhe a casa, servindo-lhe uma taça de champanhe, que ele literalmente engoliu de uma só vez; ela serviu-lhe outra, e mais outra. A casa era imensa e linda, muito luxuosa e bem decorada. Eles foram caminhando para longe da sala de estar e do barulho, em direção a uma outra ala da casa. Seguiram por um longo corredor com janelas de vidro, de onde Marvin viu as pessoas e a festa em volta da piscina, e também lindos trechos do jardim. Quando chegaram em frente a uma porta larga, ela parou:

-Venha. Vamos tirar um pouco dessa roupa. 

Marvin sentia-se muito embaraçado, pois ao entrarem no quarto, Jane ficou olhando para ele, esperando que ele se despisse, sem demonstrar que sairia e o deixaria à vontade. Marvin não sabia como esconderia dela a sua excitação. Ela logo percebeu qual era o problema, e aproximou-se dele, enlaçando-lhe o pescoço e dizendo:

-Vamos dar um jeito nisso.

E começou a despi-lo, ela mesma, beijando cada parte de seu corpo. Marvin não entendia muito bem como uma menina tão nova podia ter tanta experiência – muito mais experiência do que ele. Mas concluiu que naquele momento, aquela deveria ser a menor de suas preocupações. Ele estava a ponto de explodir. Ela o chamou e ambos deitaram-se na cama de casal dela, entre macios lençóis de cetim e almofadas que cheiravam a alfazema. Marvin estava meio-bêbado, e enquanto ela fazia coisas deliciosas no corpo dele, ele via, com os olhos entreabertos, a atmosfera aconchegante e sensual do quarto. Aquele, definitivamente, não era o quarto de uma adolescente.
Quando terminaram, ele descansou por um tempo, deitado ao lado dela. Jane virou-se de bruços e olhou para ele:

-Gostou?

Só de olhar para ela, ele sentiu sua excitação chegando novamente, e abraçou-a com força. 
Duas horas depois, e após a quarta vez, eles saíram do quarto. No caminho para o jardim, Marvin tomou outra taça de champanhe. Ele gostaria de saber qual seria, então, a sua posição na vida de Jane. Era seu namorado, ou continuavam apenas bons amigos? De brincadeira, segurou-a pelas mãos e obrigou-a a olhar para ele:

-E agora?

-E agora o que?

-Eu queria saber o que eu sou para você, Jane.

Ela ficou séria, e Marvin percebeu que Jane sentia-se desconfortável. Jane sorriu de repente, dizendo:

-Não me faça perguntas. Você não sabe ser feliz, viver o momento?

Ele ia retrucar, mas naquele instante, Sunny apareceu:

-Jane, querida, o Deputado Tavinho chegou, e está procurando por você. Por favor, dê a ele um pouquinho de atenção. Venha, Marvin, eu lhe faço companhia.

-Marvin não entendeu nada daquilo. Viu apenas que Jane ficou séria de repente, antes de afastar-se deles. Também viu, enquanto conversava com Sunny, que Jane caminhava ao lado de um homem moreno, bem mais velho, que cultivava uma barriguinha. Ambos afastaram-se em direção à casa. Marvin sentia-se enciumado; não conseguiu deixar de perguntar a Sunny:

-Quem é aquele homem?

Sunny sorriu:

-Ele é o deputado Tavinho. É como se fosse um tio para Jane. Um grande amigo nosso. Sabe, temos vários projetos sociais. Eu mesma administro uma ONG que cuida dos direitos das crianças. O deputado Tavinho nos ajuda muito, e somos muito gratos a ele. 

-Bem... acho isso bacana, Sunny.

Naquele instante, Paco passou por eles segurando uma linda jovem pela mão. Ambos pareciam muito entretidos, enquanto conversavam, e Marvin viu, estupefato, quando Paco passou o braço em volta da cintura da jovem, conduzindo-a a um canto escuro do jardim. Os dois desapareceram. Ele olhou para Sunny, a fim de certificar-se se ela tinha ou não visto a cena. Notou que uma pequena sombra passou diante dos olhos dela, mas ela logo a espantou com um sorriso:

-Eu sei que você deve estar achando muitas coisas estranhas aqui em minha casa, Marvin.

Ele tentou soar natural:

-Não, que isso... eu... ok! Confesso que fiquei surpreso. Nunca tinha estado em uma festa assim.

-Ela estudou-o por um momento, antes de dizer:

-Então relaxe e aproveite, querido. E saiba que aqui nada é proibido. Eu disse: NADA. 
Marvin pensou ter percebido uma insinuação na voz dela, que tornou-se rouca no final, mas procurou espantar aquele pensamento. Afinal, ela tinha idade para ser mãe dele. Mas quando Sunny esticou a mão, alisando vagarosamente seu ventre nu, ele quase engasgou de surpresa; Marvin disse;

-Ops... Sunny... que negócio é esse? 

Ela o encarou, e depois disse:

-Só queria provar a você que eu estou falando realmente sério quando disse que aqui nada é proibido. 
Dizendo aquilo, ela deu uma gargalhada sonora, e arrematou:


-Não faça essa cara. Estou apenas brincando com você. 

Um garçom passou por eles, e Sunny o fez parar, pegando na bandeja um cigarro de maconha. O garçom acendeu-o para ela. Ela deu uma longa tragada e entregou-o a Marvin, dizendo:

-Tome. Isso vai ajudá-lo a relaxar. 

Marvin nunca tinha experimentado nenhum tipo de droga. Nem sequer cigarros. Sunny ensinou-lhe o caminho das pedras. O que aconteceu naquela noite ficou guardado para sempre na mente dele, mesmo depois que tornou-se um adulto. 

Chegou em casa às quatro e trinta e cinco da manhã, e em silêncio, foi deitar-se e pensar em tudo o que tinha acontecido naquela noite. 





2 comentários:

  1. Bom dia. Gostei do conto. :)


    Bjos
    Boa Terça-Feira

    ResponderExcluir
  2. Conto muito bem elaborado. Espero com curiosidade os próximos capítulos.
    .
    Deixo saudações amigas

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE CONTEI - CAPÍTULO 14 - FINAL

  Havia na fazenda uma casa menor para hóspedes, que geralmente ficava fechada, e nós nos mudamos para lá. Uma semana depois do incêndio, Af...