quinta-feira, 15 de março de 2018

AMOR E REVOLTA – CAPÍTULO XXI








Naquela manhã, Marvin acordou com uma sensação estranha. A boca estava amarga, e ele se sentia cansado. Ao olhar-se no espelho, percebeu a palidez da pele e os olhos inchados. A garganta doía. Ele escovou os dentes e pegou uma pastilha para garganta, colocando-a na boca enquanto tomava banho e se vestia. 

A mesa do café da manhã estava festiva – seus avós tinham passado para uma visita, e Luis e Gabi também estavam por lá. Ele se sentou e começou a encher a xícara. Já estava no segundo gole quando notou que Jane não estava entre eles. 

-Ela foi correr. Vi quando ela saiu logo cedo. – disse Melissa.

 Ele ficou mais tranquilo, mas por volta das onze da manhã, ela ainda não tinha voltado. Todos começaram a ficar preocupados. Os avós foram embora, pedindo que dessem notícias assim que tivessem alguma. Teófilo bateu de leve no ombro do neto, ao ver sua preocupação:

-Será que ela não foi até sua casa pegar alguma coisa? Ou talvez tenha encontrado uma amiga. Mande notícias assim que encontrá-la! 

Melissa e Gabi se entreolharam; as duas caminharam para o jardim, como se tivessem um acordo entre elas. Lá comentaram sobre o estranho sumiço de Jane:

-O que você acha, Gabi?

-Não sei... talvez seu avô esteja certo.

-Eu acho que ela se mandou. Vazou mesmo. 

-Mas... ela parecia estar tão bem com o Marvin, e feliz aqui! Confesso que eu estava começando a gostar dela.

-É, mas... ela nunca me enganou, sabe. Sempre senti que ela não está apaixonada pelo Marvin, embora tenha tentado de verdade se apaixonar. Acho que viu na gente uma saída momentânea para sua vida desestruturada. 

-Nossa! Agora parece até uma psicóloga falando. Lacrou. Mas só fazem cinco horas que ela saiu. Talvez volte para o almoço.

Enquanto isso, Marvin andava de um lado ao outro em seu quarto, deixando mensagens no telefone de Jane que não eram respondidas. Tentou ligar para ela. Escutou o telefone dela tocando, e saiu correndo pelo corredor, indo até o quarto de hóspedes; viu que o telefone estava sobre  a mesinha de cabeceira. O estômago dele deu um nó, e a febre que ensaiava sair, finalmente começou. Ele passou pela mãe no corredor feito um furacão, suado, o rosto vermelho. Rafaela segurou-o pelo braço:

-Alguma notícia? Ligou para ela?

-Não. Ela deixou o telefone aqui. Mãe, acho que aconteceu alguma coisa!

-Calma! Se ela deixou o telefone, é porque não pretendia demorar.

-Então! Já saiu há horas! Ninguém leva cinco horas correndo de manhã. Já é quase hora do almoço. 

-Bem... vamos até a casa dela. Mas antes...

Ela tocou a testa do filho, que ardia em febre. Ele tentou recuar, mas Rafaela percebeu:

-Marvin, você está febril!

-É, acho que estou pegando um resfriado. Nada sério. Vamos, mãe.

-Não sem antes tomar um antigripal.

Ele obedeceu calado, pois sabia que era inútil argumentar com a mãe em momentos como aqueles. Ansioso, ele finalmente entrou no carro, e os dois foram até a casa de Jane. 
Aguardaram na sala, enquanto um dos empregados foi chamar Max. Marvin estava tão ansioso, que sentia as mãos tremendo. Quando Max entrou na sala quinze minutos mais tarde, despenteado e com cara de quem tinha acabado de acordar, Marvin foi logo perguntando:

-Oi, Max. A Jane está aqui?

Max olhou para ele e depois para Rafaela, antes de responder:

-Não... hum... ela esteve aqui, pegou umas roupas... aliás, pegou bastante coisas... 

Rafaela sentiu o peito gelar de apreensão. Apoiou o filho, enquanto ele perguntou:

-Mas para onde ela foi? Não voltou lá para casa.

Max pegou um envelope no bolso do casaco, entregando a Marvin:

-Ela deixou isso aqui pra você.

-O que é isso? Como assim?

Rafaela interviu:

-Obrigada, Max. Já vamos indo.

-Max, o que é isso aqui?

Max encolheu os ombros. Apesar de já saber o que estava escrito na carta, ele preferiu fingir ignorância. Lembrou-se de ter chegado de uma festa, ainda meio-alto, e encontrar a irmã descendo as escadas com uma mala. Ela passou por ele, e antes que ele pudesse perguntar qualquer coisa, Tavinho veio do quarto de Jane carregando mais duas malas. Confuso, Max coçou a cabeça:

-Ah... pode me explicar o que tá rolando aqui, Tavinho?

Tavinho colocou as malas no chão:

-Estamos indo embora, Max. Jane e eu. Nós vamos nos casar.

-O que? Tá maluco, cara? Meu pai sabe disso? Ela ainda é uma adolescente!

Tavinho riu:

-Já falei com seu pai, e ele concordou. Vai mandar a autorização. Nos casamos no Brasil em segredo, e depois vamos para uma ilha no sul da Itália, onde eles estão. Disseram que era para você se juntar a nós. Vá fazer suas malas, Max.

-Que??? Malas? No way. Detesto o sul da Itália. Vou ficar por aqui um tempo, e depois mando notícias. Tem o telefone dos meus pais? Estou precisando de grana.

Tavinho passou o número para o celular de Max, balançando a cabeça em uma negativa:

-Tá aqui... mas cuidado, ninguém pode saber onde eles estão. Só ligue se for necessário. E não se preocupe, eles já fizeram um depósito na sua conta. Você ficará bem. Parece que eles já sabiam que você não ia querer ir. 

Dizendo aquilo, Tavinho pegou as malas e saiu, deixando Max parado nas escadas. Tavinho jamais mencionou que Paco tinha dado a autorização sob ameaça de ter mais fatos comprometedores revelados. Fatos que poderiam fazer com que ele e Sunny passassem muito tempo na cadeia, caso fossem pegos. Coisas como tráfico de entorpecentes, aliciamento e escravidão de menores, mais provas sobre lavagem de dinheiro, do qual já eram acusados, formação de quadrilha, enfim, a lista era bem grande, e colocaria a Interpol atrás deles. 

 Naquele momento, Jane voltou. Parou na frente dele, abraçando-o desajeitadamente. Eles nunca se abraçavam. Quando se separaram, ela pegou um envelope na bolsa e deu a Max:

-Entregue ao Marvin, mano. Por favor.

Dizendo aquilo, ela se foi. Imediatamente, Max abriu a carta e leu seu conteúdo – o mesmo que Marvin leria em seu quarto, alguns minutos mais tarde:

"Oi, Marvin!

Esta é uma carta de despedida. Eu juro que tentei, mas não poderia levar essa vida que você leva. Eu já nasci estragada... não tem lugar para mim no seu mundo, e vice-versa. 
Obrigada por tudo. "

Jane não mencionou, na carta, que se casaria com Tavinho. 

Marvin leu e releu a carta diversas vezes. Tantas, que acabou memorizando o conteúdo. Na casa, Rafaela e Cadu acharam que era melhor que Marvin ficasse sozinho para assimilar o que tinha acontecido, então as pessoas andavam pelos cantos, falando baixinho, e de vez em quando alguém batia de leve à porta do quarto dele levando uma bandeja – que mais tarde era recolhida, intocada. Esta situação durou quase três dias. 

Max estava fisicamente esgotado por causa da gripe forte que o abateu, e emocionalmente em pedaços. Não falara com ninguém sobre o que tinha acontecido. Ficava em sua cama, fitando a parede como se estivesse catatônico. Cadu achou melhor leva-lo a um hospital. Rafaela tentou impedi-lo, mas os argumentos de Cadu eram fortes:

-Amor, ele não come há dias! Está lá, naquela cama, pensando sabe-se-lá-o-que. Ele precisa de ajuda. Eu... eu tenho medo do que possa acontecer a ele. 

Ela concordou com a cabeça, tristemente:

-Ok, então vamos leva-lo. 

Marvin não ofereceu resistência enquanto a mãe o colocou sob o chuveiro e depois o vestiu. Aceitou beber um pouco do suco que Melissa trouxera. Aceitou os abraços que todos lhe deram antes de sair com os pais. Não se importou. Ele não se importava com mais nada. 


(continua...)




Um comentário:

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE CONTEI - CAPÍTULO 14 - FINAL

  Havia na fazenda uma casa menor para hóspedes, que geralmente ficava fechada, e nós nos mudamos para lá. Uma semana depois do incêndio, Af...