sábado, 10 de maio de 2014

A Condutora



Seu destino era conduzir. Passava pelos caminhos onde agonizavam as almas em sua passagem, e ajudava-as a desprenderem-se da matéria densa que já não mais lhes cabia. Alguns a confundiam com alguma espécie de mensageira quando ela lhes aparecia; quem sabe, devido à sua diáfana aparência piedosa, que deslizava pelo chão sem fazer qualquer barulho.

Ela caminhava pelos corredores dos hospitais, procurando por aqueles que estavam prontos para ir. Quando eles a viam, estendiam-lhe os braços, e os parentes e acompanhantes que estavam com eles nos quartos sentiam um arrepio na nuca ao ver a cena, tendo a impressão de que seus entes queridos enxergavam alguém que só estava ao alcance de suas visões moribundas. Os mais céticos diziam ser efeito dos medicamentos.

Mas quando estas cenas começavam a acontecer, Marilda - uma das enfermeiras daquele grande hospital - sabia que aquele paciente em breve faleceria. Ela nunca tinha visto nada sobrenatural; apenas observava e sentia, após tantos anos assistindo pacientes terminais, que estes estavam indo embora; e não era nada relacionado ao seu estado, pois muitas vezes, alguns tinham melhoras súbitas, chegando a comer e caminhar pelos corredores; mas quando eles estendiam os braços para o nada, olhos perdidos em alguma figura que só eles enxergavam, não demorava muito e chagavam a óbito. 

Marilda ouvira relatos de alguns destes pacientes, que, de repente, enquanto ela cuidava deles, perguntavam: "Quem é esta senhora de branco?" Marilda , acostumada àquele tipo de pergunta, pedia a eles que a descrevessem, e onde ela estava, o que fazia, e os relatos eram quase sempre muito parecidos: "Ela está de pé junto à cama, perto de você. Não está vendo? Usa um véu e um vestido longo e branco, e carrega um buquê de lírios brancos. Oh, eu acho que é um sinal! Eu estou perto da cura!"

Marilda sorria para os pacientes, pois sabia que de alguma forma, eles estavam certos...


7 comentários:

  1. Arrepiante e lindo ao mesmo tempo.
    Bom fim de semana.
    Beijo.
    Nita

    ResponderExcluir
  2. Intrigante.
    Feliz dia das mães, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante, tbm creio que no momento em que saímos deste corpo um anjo nos ajuda a fazer a passagem.

    ResponderExcluir
  4. Lindo, verdadeiro, real! Que a "condutora" possa conduzir por caminhos de luz e paz! Feliz finalzinho de domingo!

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde Ana.. em alguns estrofes tu disse tudo..
    eu como já fiz regressões.. pude ver cenas.. e seres assim que nos vem buscar na hora de irmos a outro plano..
    não é o plano espiritual que se afasta de nós.. somos nós que nos afastamos dele..
    a densidade ainda é monstruosa.. quanto mais as pessoas sentirem medos e viverem com a mente fechada.. mais vão sofrer.. bjs e um lindo dia

    ResponderExcluir
  6. Oi Ana, também acredito que na hora de ir embora daqui, haverá alguem nos esperando, bem como quando nascemos e somos amparados sem saber onde estamos.
    bacios

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE CONTEI - CAPÍTULO 14 - FINAL

  Havia na fazenda uma casa menor para hóspedes, que geralmente ficava fechada, e nós nos mudamos para lá. Uma semana depois do incêndio, Af...