domingo, 28 de dezembro de 2014

Era Uma Vez Uma Moça que Sonhava Ser Escritora...




Era uma vez uma moça que sonhava ser escritora. Ela lia muito, o tempo todo, e enquanto lia, apreciava a imaginação e o estilo de cada autor. Um dia, ela teve uma professora de Português na quinta série ginasial que ensinou-a sobre rimas, métricas, figuras de linguagem... ela ficou ainda mais interessada, e escreveu seu primeiro poema aos onze anos de idade. Não ficou muito bom, mas como a professora elogiasse muito, ela se sentiu incentivada a continuar. Todo mundo precisa de incentivo para começar algo.

Anos depois, quando já era uma adolescente, a menina começou a escrever histórias em folhas de caderno, além de muitos diários, onde guardava seus sonhos e segredos. Mas com medo de que alguém os lesse, ela sempre os rasgava e queimava ao terminar de escrevê-los. Tantas histórias, memórias e poemas jogados na fogueira que ela acendia no fundo do quintal...

Mas ela nunca perdeu a vontade de escrever. Ela cresceu e casou-se. Soube, através de um cartaz pregado na parede de uma padaria, sobre um concurso de poesias em sua cidade, e resolveu participar. Não tinha muita esperança de ser premiada, mas precisava tentar! e não é que a moça totalmente desconhecida acabou ficando em segundo lugar, entre mais de cento e setenta poetas?!

Ali, ela conheceu pessoas que a convidaram a participar de um Clube de Poesias, no qual poetas se reuniam nas noites de quinta-feira para ler, escrever , recitar e ouvir poesia. Participou de outros concursos internos, ficando sempre entre os quatro primeiros colocados; mas a vida e suas necessidades fizeram com que ela desistisse... precisava trabalhar e estudar. O tempo era curto. Ela deixou a poesia de lado... anos se passaram.

Ela deixou a poesia de lado, mas a poesia cismava com a moça... surgiu um outro concurso, no Silogeu Petropolitano, e mais uma vez, ela enviou um poema sem a menor esperança de ser classificada. E para sua surpresa, ela venceu!

Escrever tornou-se algo concreto. Ela procurou na Internet algum site para escritores amadores, e achou o Recanto das Letras. Houve mitos momentos alegres e tristes. Ela saiu, voltou, saiu, voltou. Ficou. Coisas aconteceram em sua vida. Nos piores momentos, a poesia a salvava sempre. 

E ela passou a escrever contos, poemas, artigos, crônicas. Foi convidada a participar de várias antologias. Lançou um livro, que para sua surpresa, esgotou em menos de três meses. Surgiu um amigo novo que levou-a para o blog Gândavos, onde ela venceu um concurso de contos e participou de vários livros onde contou algumas de suas histórias. Também foi publicada por Helena Frenzel, do blog Bluemadel, que preparou um belíssimo trabalho para ela. Também recebeu e recebe até hoje muitos incentivos de sua amiga Lu Cavichioli, que também  convidou para escrever em seu blog, o Quiosque do Pastel.

E ela foi abrindo blogs e mais blogs. Hoje, ela tem vários, além da página no Recanto das Letras:

O Passagem, o Expressão, A casa & a Alma, Histórias e Nada a Dizer. Também publicou vários livros na amazon.com. Para ela, o menos importante é o quanto ela lucra através de seus escritos; o que realmente importa, é ter o prazer de escrever e contar suas histórias. Porque o que a gente faz por prazer, não tem preço. Se um dia ela virar uma escritora profissional, será ainda mais feliz, mas se isso jamais acontecer, ela será feliz assim mesmo; ela já é feliz.

E ela deve tudo isso a vocês, que a leem.

Este é um resumo da minha história como escritora, que começou quando tive meu primeiro leitor: a minha professora da quinta série, a Dona Arinete. Obrigada a ela, e obrigada a vocês.

Feliz 2015!







3 comentários:

  1. Sou fã dos seus contos desde o primeiro que li, lá no recanto. É uma escritora talentosíssima. Um Feliz Ano Novo Iluminado (mais ainda) para você. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Sou admiradora de seus textos e pessoa. Caráter, criatividade e sabedoria a tornam uma pessoa digna e em meu conceito já é uma ótima profissional das letras. Vi-me em algumas linhas de sua história, porque também rabisquei aos 11 anos e rasgava quase tudo. Estive numa grande pausa fazendo outras atividades e estudos. Mas aprecio a poesia e a rabisco novamente, sem maiores intenções. Desejo um Feliz 2015, junto aos seus e muitas realizações em sua carreira. Bj.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelos teus trabalhos. Eu também escrevo. Publiquei um livro de ficção sobre Lucrécia Bórgia, Sancta Lucrezia dei Cattanei. Estou com outro livro sobre a Segunda Guerra, Dos Segredos de Eva Braun, que deverá sair em pouco tempo. Vejo que temos muito em comum: o sonho de escrever e publicar. Parabéns pela qualidade de teus textos.

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE EU CONEI Capítulo 13

 CAPÍTULO 13 Achei estranho que o sol parecia nunca se por naquele lugar, e perguntei sobre isso. Imediatamente, começou a escurecer, e lind...