quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

SEMENTES - um micro-conto










Das mãos entreabertas, caíam as sementes no solo, vagarosamente espalhando-se em uma longa e fina fileira. Muitas caíam sobre as pedras que ladeavam o passeio, e outras, seriam levadas pelo vento ou pelos bicos dos pássaros e replantadas em lugares inimagináveis. Algumas - a minoria - germinaria, e outras não. Mesmo entre as que germinassem, nem todas cresceriam e se tornariam plantas adultas. Das que se tornassem plantas adultas, algumas não sobreviveriam, sendo dizimadas por raios, secas, tempestades ou pelos machados e motosserras dos homens. 

Eu observava as sementes que caíam daquelas mãos, enquanto soprava uma prece silenciosa a Deus, para que as protegesse, mesmo sabendo que nem todas as preces seriam atendidas. 





5 comentários:

  1. Boa tarde, querida amiga Ana!
    Feliz ano bebê@ 👼
    Muito bom a gente rezar e confiar sabendo que Deus fará o melhor!
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem
    ⚘🌷🌺🌹

    ResponderExcluir
  2. Um bonito conto!
    Obrigada pela visita no Vida & Plenitude...
    Bom sábado. Abç

    ResponderExcluir
  3. Que nunca se perca a esperança e que nossas preces sejam ouvidas.
    Lindas palavras 🌼🌷
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  4. Temos que acreditar!Perder as esperanças, jamais!
    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE EU CONTEI Capítulo 13

 CAPÍTULO 13 Achei estranho que o sol parecia nunca se por naquele lugar, e perguntei sobre isso. Imediatamente, começou a escurecer, e lind...