quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

BOB TINHA UM SEGREDO






Bob tinha um segredo. Um dia, quando ele ainda era uma criança, este segredo apareceu para ele na forma de um amigo imaginário que lhe falava verdades sobre as pessoas que o cercavam. Às vezes, ele repetia aquelas verdades perto dos adultos, e era severamente repreendido. Mas a pior coisa do mundo, era quando seu amigo imaginário dizia verdades sobre ele mesmo. Verdades que Bob não queria ouvir.

Certo dia, durante a visita de uma velha tia da qual ele não gostava, o segredo de Bob gritou tão alto, que seus pais acharam melhor trancá-lo no quarto, de castigo, até que a visita terminasse. Fato é que a tal tia jamais voltou a pisar naquela casa, e quando eles se encontravam em ocasiões de reuniões de família, ao avistar Bob, a pobre mulher fugia assustada para o primeiro banheiro, ou para a cozinha – qualquer lugar onde não tivesse que encontrar Bob. E a mesma coisa começou a acontecer em relação a outros parentes e conhecidos, até que finalmente Bob amadureceu o suficiente para compreender que era melhor não mostrar o seu segredo a ninguém. As pessoas não gostavam de encará-lo.

E assim, bob cresceu com seu segredo, que passou a perturbá-lo cada vez mais. Ele tentava desesperadamente encontrar um jeito de conviver com aquele terrível destino sem perder a sanidade. Achou uma maneira não muito eficaz, mas que poderia servir pelo menos em alguns momentos: passou a ignorar seu segredo. Pensou: “Se eu fingir que ele não existe, as outras pessoas não o perceberão.”

Mas o segredo de Bob não aceitava ser deixado assim, de lado. Começou a gritar cada vez mais alto dentro da cabeça de Bob, que passou a tomar antidepressivos e fazer análise com um psiquiatra. Dr. Fernandez, o psiquiatra, vivia dizendo que Bob precisava abrir-se, pois ele não poderia penetrar em sua mente e resolver seus problemas por ele. Mas Bob fechava-se em si mesmo, apertando os olhos para não se ver por dentro. Veio a síndrome do pânico. Bob tentava cada vez mais desesperadamente esquecer que ele tinha um segredo.

Mas o medo de sair de casa fez com que a solidão o obrigasse a encarar de frente seu segredo. Os dois passaram alguns dias e algumas noites se olhando e conversando. E a cada palavra e gesto, mais Bob se convencia de que não conseguiria viver se mostrasse seu segredo ao mundo. Sim, ele tinha um segredo que era grande demais, difícil demais de ser enfrentado. 

Assim, após uma longa conversa com seu segredo, Bob arquitetou um plano que ele achou que resolveria tudo para ele: esperou que seu segredo caísse no sono, e quando isso finalmente aconteceu, ele foi até a cozinha e pegou uma faca grande e afiada. Dirigindo-se à sala de estar, onde seu segredo adormecido se encontrava, Bob ergueu a faca acima da própria cabeça e golpeou seu segredo impiedosamente, várias vezes.

Bob foi encontrado alguns dias mais tarde por parentes, que após tentarem entrar em contato com ele várias vezes sem sucesso, decidiram invadir sua casa. 

Ele não dizia coisa com coisa. Seu olhar parecia perdido em algum lugar distante deste mundo, onde ninguém jamais conseguiu ir. Bob terminou seus dias em um manicômio, velado por seu segredo.





11 comentários:

  1. Maravilhoso este texto! Obrigada pela partilha!
    -
    Olho as montanhas, sem cor
    Beijo e uma boa noite!

    ResponderExcluir
  2. Ana,
    Esse teu conto me remeteu ao drama vivido por um dos melhores jogadores de todos os tempos do futebol brasileiro - anos (1950): Heleno de Freitas, que acabou seus dias, no Hospital psiquiátrico de Barbacena.
    Um beijo!!!

    ResponderExcluir
  3. Muchas gracias por su generosa visita es un placer pasar por su blog Saludos

    ResponderExcluir
  4. Ana,
    Que texto maravilhoso!
    Fiquei absorta depois de ler e reler.
    Minha mente de gente de teatro
    formou a cena em cores vivas e fiquei
    pensando em como seria no palco
    em uma apresentação/espetáculo
    de puro surrealismo.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom este post.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-caro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. …....... /)
    ……... ( , )
    ….….|░░░|
    ……..|░░░|☆ _(♥)_
    …..@|░░░|¸.¤“˜¨
    .¨˜“¤|░░ഐ¤ª@“˜¨¨y
    …¨˜“გª¤.¸::¸.¤ª☆“˜¨¨Año Nuevo.
    …¤¸*¸.¤ª“˜@¨¨¨***2020****.
    *♥*. ✿❀✿¸¸¸.•*´¯`❀ ✿ ✿❀¸¸¸.•*´¯`❀ ✿
    ✿¸¸¸.•*´¯`❀𝓫𝓮𝓷𝓭𝓲𝓬𝓲𝓸𝓷𝓮𝓼

    ResponderExcluir
  7. Realmente, um texto forte !
    Quantas pessoas estão na mesma situação do Bob, e quem está de fora nem pode ajudar. Só mesmo ela poderia se libertar dessa escravidão.

    Òtima reflexão !!!

    Bjus 1000

    ResponderExcluir
  8. Ana, amo esse seu . jeito de contar histórias que se confundem com nossa realidade imaginaria.Somos todos um pouco Bob... cheios de segredos que precisam ser revelados.

    ResponderExcluir
  9. Obrigado per la visita muy gentile
    Besos
    Morris

    ResponderExcluir
  10. Uma história muito bem contada e uma reflexão necessária!
    Gostei bastante!
    Passei para agradecer sua visita ao meu blog e a frase que deixaste no comentário foi uma ótima interpretação da imagem.
    Abraços e boa semana!

    ResponderExcluir
  11. Oh Ana...there is definitely a "Bob" inside of me too, with all his untold secrets! ;)
    I so enjoyed reading this...you have given me a wonderful trip into escapism!! :))
    Thank you SO much!

    Hugs xxx

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE EU CONTEI Capítulo 13

 CAPÍTULO 13 Achei estranho que o sol parecia nunca se por naquele lugar, e perguntei sobre isso. Imediatamente, começou a escurecer, e lind...