quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

O DIA EM QUE A LUA ENGOLIU O MUNDO

 


 Era uma noite de luar enorme – enorme o luar, não a noite. Acho que era lua azul. Deitada no gramado, eu utilizava algumas estrelas para jogar caxangá no veludo azul-marinho do céu. De repente, eu percebi, com o canto do olho, que a grande abóbada se moveu um pouquinho. Achei que talvez tivesse sido uma ilusão de ótica, e continuei a brincar com as estrelas, distraída. 

Mas o fenômeno se repetiu, daquela vez, mais nitidamente. E então eu vi a lua abrir sua grande boca e respirar fundo. Algumas árvores que estavam por perto começaram a se agitar, como se tivessem sido balançadas por uma ventania forte, mas não havia vento. Notei que os grilos e corujas tinham parado de cantar. Vi quando o telhado de uma casa se desprendeu com um som de coisa quebrando, seguido por outro e outro. Logo, havia dezenas de telhados sendo sugados diretamente para dentro da boca do luar.

Apavorada, sentei-me e olhei em volta. Vi que pessoas passavam voando por mim, subindo aos céus, agitando braços e pernas no ar numa tentativa inútil de se agarrarem a alguma coisa. Seus olhos esbugalhados me olhavam, suas bocas abertas gritavam por ajuda, mas eu nada podia fazer. 

Naquela noite, a lua estava engolindo o mundo. E ela tinha fome. A rua foi ficando deserta, e me perguntei se o mesmo estaria acontecendo no resto do mundo, mas eu jamais poderia saber, já que as antenas de TV e as conexões de internet também se desprendiam e entravam na boca da lua, que sugava com força. Logo o sino de bronze da catedral passou por mim, subindo e desaparecendo entre fortes badaladas para dentro da boca da lua. 

E então eu despertei para descobrir que eu não tinha mais um corpo e que não tinha sido um sonho. Nem mesmo uma ilusão de ótica. A humanidade tinha sido finalmente varrida da face do planeta. Era um castigo pela nossa ilusão de ética.





11 comentários:

  1. Consegui vaguear nesta estória! :)
    -
    Já anseio por uma nova Primavera
    -
    Beijo e uma excelente noite! :)

    ResponderExcluir
  2. Puxa. lindo e forte texto.E será a humanidade mesmo sendo varrida, aprenderá???beijos, chica

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto, meus parabéns, você escreve muito bem e sabe se expressar muito com as palavras.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. oi querida,

    Adorei a sua postagem
    Parabéns pela criatividade
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  5. De nuevo por aquí gracias por su visita, es un placer pasar por su blog Saludos

    ResponderExcluir
  6. Quem viver, verá. Já diz o ditado.
    Um beijo e boa noite.

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde Ana,
    Que fantástico, você desenhou com todo talento possível e imaginário, o que está mesmo para acontecer, de acordo com o que estamos vivendo, uma brusca mudança climática e em todos os outros segmentos, é por ai mesmo, existe algo no ar.
    Parabéns pela criatividade.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Bom dia, Ana.
    O seu estro poético é encantador!
    Voejei nas entrelinhas e cheguei a visualizar
    o cenário encenando a ruptura do mundo.
    Meus efusivos parabéns e um fraternal abraço.

    ResponderExcluir
  9. Ana,
    Bravíssimo!
    Adorei mergulhar
    nesse lindo texto.
    Bjins de bom fim de semana.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  10. Poxa... a lua me decepcionou! Não esperava isso dela mas enfim, a decepção sempre vem de onde não esperamos rsrs. Show de criatividade 👏👏👏😍

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE CONTEI - CAPÍTULO 14 - FINAL

  Havia na fazenda uma casa menor para hóspedes, que geralmente ficava fechada, e nós nos mudamos para lá. Uma semana depois do incêndio, Af...