segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Confissõs de Uma Idosa Cínica - Parte V



Ah, os golpistas!... 

Há alguns dias, fui parada na rua por um senhor muito distinto, que parecia estar em grandes dificuldades. Abordou-me com gentileza, parecendo apressado, e pediu-me se eu poderia trocar uma nota de cinquenta reais para ele em notas de dez reais. Precisava tomar o ônibus, e não tinha trocado.

Na maior gentileza, peguei algumas moedas que tinha em minha bolsa, já que eu não tinha como trocar o dinheiro, e entreguei-as a ele, que me agradeceu com um sorriso amarelo. Nisto, entrei na drogaria a fim de comprar algumas coisas que eu precisava. Quando saí, vi que o homem continuava ali no ponto de ônibus,  e passei a observá-lo melhor. Ele aproximou-se de uma outra idosa, fazendo-lhe o mesmo pedido. Vi quando ela abriu a bolsa na maior inocência, e contou cinco notas de dez reais que entregou ao homem, que passou para ela a nota de cinquenta. Ele começou a conferir o dinheiro, e disse:

-A senhora se enganou. Aqui só tem quarenta reais.

Ela respondeu:

-Como? Não é possível, eu contei, o senhor viu!

-Minha senhora, aqui só tem quarenta reais, veja...

E ele contou as notas, e só tinha quarenta reais. Logo percebi a jogada dele, e enquanto a senhora, muito constrangida, abria a bolsa e começava a procurar por mais uma nota de dez reais para pagar o homem, aproximei-me, dizendo:

-Ora, o senhor não tomou o ônibus? Por que?

Ele sorriu:

-Acabei perdendo.

Apontei para o ônibus, ainda parado no ponto:

-Corra, ele ainda está ali.

E ele, com certa impaciência:

-Assim que esta senhora pagar-me o dinheiro que me deve.

Tirei minha sombrinha da bolsa, dizendo:

-O senhor é um golpista, e se não der o fora agora mesmo, vai ver só o que eu vou aprontar!

A outra senhora nos olhava, atônita, sem entender nada. Ele engoliu em seco, e afastou-se de nós, resmungando. Expliquei a ela que ele era um golpista, e ela, aliviada, agradeceu-me.

Se você é idoso, não deve jamais abrir sua bolsa ou carteira perto de estranhos, e muito menos, fazer coisas tão estúpidas quanto trocar dinheiro para alguém. Nós, os idosos, somos sempre vítimas destas pessoas inescrupulosas, que provavelmente não tem mães ou pais, e aproveitam-se de nossa aparência frágil e de nossa boa vontade! Infelizmente, o mundo mudou bastante desde o tempo em que éramos jovens e podíamos confiar nas pessoas.

Foram-se os tempos em que as pessoas eram verdadeiras, tinham honra, e a palavra dada era lei. 

Não se pode mais confiar em ninguém, e isto pode ser verdadeiro até mesmo quanto às pessoas mais íntimas.

Dia desses meu neto mais novo veio fazer-me uma visitinha. estranhei, já que desde que nasceu, ele nunca veio sozinho visitar-me, e quando em companhia dos pais, sempre demonstra bastante tédio, checando as horas repetidamente, só parecendo feliz na hora de despedir-se. E de repente, o moleque de dezesseis anos bate à minha porta em uma tarde de sexta-feira, dizendo que sentiu saudades... bem, abri-lhe a porta e recebi-o bem, com uma grossa fatia de bolo de chocolate. Mas fiquei, como se diz hoje em dia, "na minha," esperando para ver o que ia acontecer...

E então ele me falou que precisava de um computador novo:

- Sabe, vó, para fazer as lições da escola.
-Mas seu pai não lhe deu um no ano passado?
-Pois é, mas já está ultrapassado, e o HD está com defeito. 
-E por que você não fala com ele e pede um novo?
-Eu bem que tentei, vó, mas ele disse que não vai me dar... 

Ao mesmo tempo que eu me senti usada e tola, achei que o moleque precisava de uma lição. Tomei mais um gole do meu chá, deliberando o que deveria fazer.

-Sabe, meu filho... ando precisando de alguém que me dê uma mãozinha por aqui. A garagem precisa ser pintada, a cerca viva precisa ser aparada, a área de serviço merece uma boa lavada, e algumas lâmpadas da casa tem que ser trocadas; além disso,  o jardineiro não veio esta semana, e o gramado está 'dessa altura!' E também necessito de alguém que faça as compras do mês para mim, já que não ando me sentindo muito bem...  e talvez, se uma alma gentil fizesse uma boa faxina - a casa precisa ser encerada, sabe, e também tem algumas coisas que preciso separar em caixas para doação...

-Eu ajudo a senhora, vó! faço tudo, tudo o que a senhora pedir!

E meu desinteressado netinho passou a semana toda aqui em casa, fazendo tudo para mim.

No sábado à tarde, quando ele terminou, a casa estava um verdadeiro brinco! Nós tomamos café na varanda, e ele devorou um bolo de cenoura quase inteiro, feliz da vida, embora cansado. Quando ele acabou de comer, agradeci e abri a porta da frente. Ele ficou me olhando... despedi-me novamente.

-Mas vó... a senhora não está esquecendo de nada?
-Eu?! Do que? Ah, sim! O porão precisa ser limpo!
-Não vó, não é isso... o dinheiro... sabe, para o computador novo?...
-E quem disse que eu vou dar dinheiro para você comprar computador novo?
-Mas...
-Mas... mas... ora, menino! Você nunca vem visitar-me! Acha que vou lhe comprar um computador só porque fez uns servicinhos aqui em casa? 

Ele ficou me olhando, de boca aberta.

-Sabe, agora você sabe exatamente como alguém se sente quando descobre que está sendo usado! Agora, vá para casa, meu filho.

Ele baixou os olhos, e saiu. Fiquei à porta olhando-o caminhar cabisbaixo, até que desapareceu na esquina.





2 comentários:

  1. Infelizmente os golpistas existem em cada esquina. É uma praga de pessoas sem escrúpulos que fazem como modo de vida enganar pessoas incautas e de boa fé

    Concordo na integra com o teor do texto. Não dê conversa a essas pessoas bem falantes, mas que infelizmente são de espirito mau e ordinário

    Deixo abraço
    ******************
    http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE EU CONEI Capítulo 13

 CAPÍTULO 13 Achei estranho que o sol parecia nunca se por naquele lugar, e perguntei sobre isso. Imediatamente, começou a escurecer, e lind...