domingo, 28 de abril de 2013

Treva e Luz




Era uma vez duas amigas que viviam em uma pequena vila, e que tinham nascido exatamente no mesmo dia e à mesma hora. Uma chamava-se Treva - cabelos e olhos do negro mais negro, tão negro, que à noite, o céu sentia ciúmes das estrelas, pensando que elas poderiam querer ornar os cabelos de Treva. Ela usava sempre negro - nas roupas, sapatos e acessórios. Sua fala era rouca e mansa, e sua atitude, sempre taciturna. Apesar de preferir a escuridão, ela às vezes gostava de passear à luz do dia, mas logo se recolhia, pois as demais pessoas não gostavam de topar com ela pelas esquinas da vila.

Luz era muito bela, e tinha olhos azuis cristalinos e pele alvíssima. Vestia sempre branco, e sua fala era alegre e cheia de vida. Adorava ficar à luz do sol, e evitava as noites muito escuras, pois temia que sua alvura fosse contaminada pela escuridão.

Mas havia uma hora do dia em que Luz e Treva sempre se encontravam, pois não estava tão escuro assim que fosse ferir a sensibilidade de Luz, e nem tão claro que fosse ofuscar os olhos de Treva: era a hora do crepúsculo. Ao por-do-sol, as amigas se encontravam em uma colina e colocavam em dia os seus assuntos. Eram muito unidas, embora fossem tão diferentes.

Um dia, chegou à aldeia um jovem cavaleiro, que pertencia à corte. Belo e garboso, segundo diziam, procurava por uma dama que lhe servisse de esposa. Assim que ficou sabendo de sua chegada, Treva ornou-se com seu véu negro bordado de fios de luar, seu vestido de veludo mais negro e seu colar de ônix. estava linda! Esperou até que escurecesse, e ficou à porta da taverna onde o cavaleiro se divertia com os amigos, aguardando que ele saísse. Assim que saiu da taverna, Juno - este era o nome do belo cavaleiro - diante da linda visão de Treva, que lhe sorria, apaixonou-se por ela. Chegando perto da moça, apresentou-se e os dois ficaram conversando até o dia amanhecer. Ao raiar do sol, Treva despediu-se de Juno e foi para casa. 

Juno foi sonhando com a beleza da moça pelo caminho, totalmente enlevado, achando que tinha finalmente encontrado a esposa perfeita! Linda, profunda em seus pensamentos, discreta, apaixonada. Mas de repente, ao virar a curva, deparou com outra dama tão bela quanto Treva: Luz esperava por ele, displicentemente sentada a uma pedra. Vestia o manto mais branco, bordado de fios de sol. Seus cabelos loiros e macios, ornados com pedrarias douradas e azuis, espalhavam-se em volta de seu rosto alvo como se fossem raios, e seu sorriso claro e meigo imediatamente capturou a atenção de Juno.

Sentando-se com ela na pedra, os dois conversaram até a hora do crepúsculo, quando Luz despediu-se dele e foi ter com Treva no alto da colina, como sempre faziam. Juno seguiu para a estalagem aonde se hospedara, totalmente divido entre Treva e Luz. Chegando à colina, Luz imediatamente contou à Treva sobre seu novo amor:

-Conheci alguém!
-Eu também!
-Ele é o mais lindo jovem que já vi em minha vida!
-O meu também! Passamos muitas horas juntos, conversando, e acho que estamos apaixonados!
-Nós também! Meu amado pertence à corte!
-O meu também! E ele é um cavaleiro do Rei!
-O meu também é! E seu nome é Juno!
-Não pode ser!
-Mas... por que não?
-Porque meu amado também chama-se Juno!
-Mas eu o vi primeiro!
-Não! Eu o vi primeiro! Nos conhecemos à noite!
-Mas nós nos conhecemos ao raiar do dia!
-Falamos por horas e horas!
-Nós também! E ele adorou meus olhos azuis!
-E meus olhos negros!
-Você mente!
-Você mente!
-Ele é meu!
-Não é não!

Assim, Luz e Treva começaram uma batalha que duraria várias luas. À noite, Treva mostrava a Juno todo o seu encanto e paixão, envolvendo-o completamente por seu manto negro bordado de luar, e durante o dia, Luz o envolvia em sua pureza e sua doçura, cobrindo-o com seu manto branco ornado de fios de sol.

Treva e Luz passaram a odiar-se mutuamente. Esperavam que Juno logo tomasse sua decisão a respeito de qual delas seria sua esposa, mas o jovem parecia cada vez mais indeciso. Pressionado por ambas, incapaz de tomar uma decisão e não desejando ferir nenhuma delas, Juno partiu da cidade numa fria tarde de outono, sem sequer despedir-se. Deixou, a cada uma, um bilhete de adeus.

Dizem que até hoje Treva e Luz são inimigas mortais, e uma se acha sempre bem melhor que a outra. Esqueceram-se do quanto ambas são importantes, e mesmo devendo encontrar-se todos os dias, ao crepúsculo e ao amanhecer, suas discussões são sempre tão acirradas que tingem o horizonte de vermelho.

O homem carrega dentro de si a Treva e a Luz até os dias de hoje, e em certos momentos, deita-se com Treva, enquanto em outros, acorda com  Luz.



Um comentário:

  1. Ambas permeiam nosso existir e de nenhuma delas conseguimos fugir. Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE EU CONEI Capítulo 13

 CAPÍTULO 13 Achei estranho que o sol parecia nunca se por naquele lugar, e perguntei sobre isso. Imediatamente, começou a escurecer, e lind...