sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

O ANJO NO PORÃO - CAPÍTULO VII








O ANJO NO PORÃO – CAPÍTULO VII

Regiane apertava o pirulito que o pai lhe dera, e que estava no bolso do casaco, inconscientemente tentando escondê-lo das outras crianças. Metade dele estava para fora, e ela viu que as outras meninas a estavam olhando com insistência. Ela baixou a cabeça, tímida. Notou que todas eram mais altas que ela. Uma das meninas – uma mulata magrinha com tranças no cabelo – aproximou-se:

-Oi. Meu nome é Dóris. E o seu?
-Regiane.
-Por que você está chorando?
-Eu não quero ficar aqui.
-Por que você veio, então?
-Porque meu pai mandou.
-Onde está a sua mãe, Regiane?

-Ela foi embora, acho...

A outra menina suspirou:

-Eu não tenho mãe, nem pai. Minha avó foi para o céu, e meu avô  me colocou aqui, só que ele nunca veio me ver. Mas aqui é bom. Pelo menos, sempre tem comida.

Naquele momento, Irmã Dulce aproximou-se, e disse:

-Olá, meninas. Duas de vocês estão aqui pela primeira vez... sejam bem-vindas. Hoje não teremos aulas, deixaremos que vocês conheçam umas às outras enquanto brincam juntas no pátio. Gostaria de apresentar as novatas: Regiane e Célia. Digam olá para elas!

As outras disseram um olá em uníssono, de maneira fria e automática, e logo voltaram a ignorar as novatas e também Dóris . Irmã Dulce continuou:

-Podem ir até o pátio agora. Voltarei daqui a uma hora, e as levarei para o almoço, e depois mostrarei o dormitório. Lembrem-se: vocês só podem brincar do lado de cá do portão!

Ao ouvir aquilo, Célia, a outra novata, uma menina loira e gordinha, sussurrou baixinho junto a Dóris: 

-Por que não podemos ir ao outro lado?

-Porque lá é das meninas ricas, as que pagam. Elas tem balanços e escorregas, gangorras, teatrinho, e o chão do lado de lá brilha que nem espelho. E dizem que tomam banhos quentes de manhã, e podem repetir a sobremesa, se quiserem.

Regiane lembrou-se de sua primeira visita à escola, junto com o pai, e das paredes altas e assoalhos polidos. Ficou feliz por não ter sido colocada do outro lado, junto com os fantasmas das pessoas mortas das fotos. Perguntou, timidamente:

-Dóris... por que não podemos ficar com elas?

-Já disse, elas são ricas, e pobres e ricos não devem se misturar. Meu avô vivia dizendo isso. 

-Quantos anos você tem?

-Eu tenho doze, e você?

-Eu tenho... oito.

-Mas você é bem pequena, hein? E você, Célia? Quantos anos tem?

-Eu tenho nove. Eu estudava em outra escola, mas ela fechou.

-Você tem mãe?

-Não.

-E pai?

-Também não. As freiras me mandaram para cá. Acho que as outras meninas foram mandadas para outros lugares. 

As três meninas foram caminhando juntas, e sentaram-se sob uma mangueira. Logo, um grupo ruidoso de três outras meninas grandes apareceram, rindo alto. Dóris foi logo avisando:

-Não se metam com elas! São as irmãs Bia e Dora e a colega delas, Alice. Elas são muito más. Nem olhem muito para elas, porque se elas perceberem, vocês estão fritas. 

As três desviaram os olhares, mas Regiane, que era curiosa, olhou-as de soslaio no exato momento em que a maior delas também a olhava. Elas sustentaram os olhares por alguns segundos, e Regiane voltou a olhar para o chão. Sentiu um calafrio na espinha. Dóris apontou para o pirulito:

-O que você tem aí?

Regiane tentou esconder, mas era tarde.

-Um pirulito que meu pai me deu.

-Divide com a gente, Regiane!

-Mas ele é pequeno demais!

-Não é não! Irmã Dulce disse que a gente nunca deve ser egoísta. Dividimos tudo por aqui!

Dizendo aquilo, Dóris estendeu a mão, e Regiane deu-lhe o pirulito, vacilante. Dóris abriu-o, e com os dentes, partiu-o em três pedaços, dando o maior deles a Regiane. A menina fez cara feia, e 
devolveu-o para ela.

-Não quero! Está babado!

As outras duas riram, e se entreolharam. Célia respondeu:

-Mas você é muito cheia de não me toques, hein? Está bem, eu fico com a sua parte então.

Dóris disse:

-Você logo vai aprender como é que as coisas funcionam por aqui. A gente come o que tem, o que dão para nós, não importa nem se tenha caído no chão. Dividimos os doces que ganhamos nos dias de visita. A Irmã Malvina coloca todos eles dentro de um cesto, e cada uma morde um pedaço, ou então, ninguém come. Às vezes quando tem algum que ela gosta muito, ela pega e leva para ela. Você vai ter que aprender a perder o nojo.

Regiane perguntou:

-Mas por que eu tenho que dividir meus doces com todo mundo?

-Bem... porque a Irmã mandou. (e com voz mais doce):É que tem gente aqui, como eu, que não tem visita nunca, e se não fosse assim, nunca poderiam comer doces.

O tempo passou rapidamente, e logo Irmã Dulce voltou ao pátio a fim de conduzir as meninas ao refeitório. Regiane ficou surpresa diante da mesa muito comprida, onde havia pratos, colheres e canecas de latão enfileirados, e se perguntou onde estaria  a louça branca, como na casa das tias, quando a Madre Superiora – Irmã Malvina – fez um gesto para que todas se sentassem. As meninas fizeram silêncio, e Irmã Malvina sinalizou às assistentes, que começaram a servir a comida: feijão, arroz, legumes cozidos, um pequeno pedaço de carne sebosa e uma laranja para cada menina. Para beber, um pouco de leite. Regiane não estava acostumada a beber leite durante as refeições, e virando-se para Irmã Malvina, que estava de pé atrás dela, disse:

-Eu não quero o leite!

As outras meninas fizeram um silêncio sepulcral, parando de comer, e todos os olhares se dirigiram a Regiane. Irmã Malvina olhou a menina com seus olhos que eram frias rajadas de censura, e respondeu com voz cortante:

-Aqui todos comem o que estiver sobre a mesa. Beba seu leite agora. Todo ele.

Regiane engoliu em seco:

-Mas eu não quero!

Irmã Malvina berrou:

-Saia da mesa imediatamente!

Irmã Dulce aproximou-se, tentando consertar a situação:

-Irmã, trata-se de uma das novatas, ela ainda não conhece as regras...

-Então está na hora de começar a aprender! Saia da mesa, mocinha. Irmã, leve a menina para o dormitório. Agora!

-Mas Madre, ela nem sequer comeu ainda...

-Comerá na hora do lanche. Guarde o prato dela e o leite na cozinha, e ela o terá de volta em algumas horas.

Irmã Dulce nada podia fazer contra as ordens da madre superiora, e pegando Regiane pela mão, levou-a ao dormitório, que estava vazio. Mais uma vez, a menina surpreendeu-se com as camas cobertas por cobertores cinzentos, enfileiradas umas bem juntinho das outras, com espaço apenas para que as meninas caminhassem espremidas entre elas. Contou-as a dedo: havia vinte delas. Levou-a a uma cama sob uma grande janela, dizendo:

-Aqui é sua cama. Guarde bem o lugar, o número é 16. Suas coisas estão guardadas dentro do seu armário, que fica no corredor, e tem o mesmo número. Aqui está a sua chave. Não a perca! Você conhece os números, não conhece?

-Sim! E eu sei ler e escrever, porque as minhas tias me ensinaram.

-Então você deve ser uma menina bastante esperta, Regiane.

Dizendo aquilo, Irmã Dulce colocou a chave, que estava em uma correntinha prateada junto com uma medalha de Nossa Senhora, no pescoço de Regiane. A menina sentiu que naquele ambiente desconhecido, Irmã Dulce poderia ser uma aliada. Sentia-se tranquila na presença dela, e achava que podia perguntar o que quisesse, e ela responderia com gentileza. 

-Por que dormimos todas juntas?

-Porque não há espaço para que cada menina tenha seu próprio quarto.

Regiane olhou para o assoalho de madeira, fosco mas aparentando limpeza, e cheirando a desinfetante:

-Por que o chão daqui não brilha? Lá no outro prédio, o chão brilha como espelho!

-É que é mais prático assim, Regiane. Assoalhos brilhosos dão muito trabalho, e arranham com facilidade. Mas veja, é tudo muito limpo.

Ela concordou com a cabeça. Passou a mãozinha sobre o cobertor, e sentiu a aspereza da lã. 

-Isso espeta!

A freira riu:

-Não se preocupe, tem um lençol bem macio por baixo. Amanhã de manhã você terá que acordar assim que ouvir o sino tocar; daí, você tem que se vestir com o camisolão de banho.

Irmã Dulce mostrou a ela uma camisola feia e larga que ficava pendurada na cabeceira da cama. 

Regiane olhou-a, curiosa.

-A gente tem que vestir isso para tomar banho? Nunca vi ninguém tomar banho de roupa. Como é que a gente vai se ensaboar?

-Bem, você passa o sabão por baixo da roupa. E depois, enxagua.

-Por que eu não posso tomar banho sem essa camisolona?

Irmão Dulce tentou soar convincente, embora não acreditasse nas próprias palavras:

-Porque a nudez é um pecado mortal.

-E o que é um pecado mortal?

-É alguma coisa feia diante dos olhos de Deus. 

-Uma coisa errada?

-Isso mesmo.

A menina recordou-se das vezes em que Celeste a acusara, e à sua mãe, de serem pecadoras, enumerando os motivos que justificavam suas teorias. Ela era uma pecadora toda vez que os meninos – Romualdo e Rômulo – tentavam bater nela, e ela se defendia, jogando coisas sobre eles. Era uma pecadora quando se recusava a comer a comida que estava com gosto esquisito, pois sabia que se comesse, passaria muito mal. Era uma pecadora quando chorava enquanto Celeste tentava desembaraçar seus cabelos, puxando-os com força, antes dos dias de visita do pai. E sua mãe, segundo Celeste, era a maior de todos os pecadores, pois deitara-se com vários homens e tivera filhos ilegítimos. 

-Eu sou uma pecadora.

Aquela declaração feita por uma menina tão pequena, tocou o coração de Irmã Dulce. A tarde deitava seus raios de sol sobre as caminhas arrumadas, os raios brancos em feixes. Lembrou-se de sua própria infância, quando fora deixada naquela mesma escola aos dezesseis anos de idade, há muitos anos, com um filho na barriga. Sorriu:

-Querida, todos somos pecadores.


(continua...)







4 comentários:

  1. Engraçado, Ana, tento me lembrar de quando fui internada aos 5 anos, mas poucas coisas me vêm à lembrança. Lembro de uma menina mais velha e o que fez comigo.
    Lembro de ter criado uma bolha de pus, enorme em meu pé e passei por hospital.
    E, tenho muito nítido, uma irmã muito amorosa, que sempre me levava quando saia, aí, quando chegávamos, me levava para a cozinha, para almoçar com ela. Parecia que o sabor da comida era diferente, muito mais gostosa!
    Fora isso, não lembro de mais nada.
    Com a sua história, tentei forçar a memória, mas não tem jeito, não lembro de mais nada.
    O escritor tem uma imaginação muito fértil, admiro os detalhes de seus contos. Obrigada!
    Tenha um excelente fim de semana!
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  2. Tenha um lindo sábado flor!
    bjs
    http://www.pinkbelezura.com/

    ResponderExcluir
  3. O que será da pobre Regiane... Creio que Deus lhe recompensará em algum momento.
    Conto bom de se ler... Lembro dele sempre, tipo: será que a Ana já postou continuação? rsrs

    Bacios

    ResponderExcluir
  4. Certas vaidades são piores que a cegueira.
    Quando eu era criança me sentia igual Regiane, tudo era pecado, morria de medo de inferno, até escrevi sobre isso (o texto se chama "No mesmo lugar")
    Adorando e torcendo muito pela Regiane.

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE EU CONTEI Capítulo 13

 CAPÍTULO 13 Achei estranho que o sol parecia nunca se por naquele lugar, e perguntei sobre isso. Imediatamente, começou a escurecer, e lind...