segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Almas Atormentadas - Terror










ALMAS ATORMENTADAS



Era um velho manicômio, já desativado. O prédio de paredes que outrora foram brancas, encimava a colina com suas janelas banguelas de vidraças, e havia apenas um vigia noturno, que de vez em quando, fazia a ronda em volta do prédio (apenas para justificar seu salário de vigia), quando não tinha mais o que fazer. Mas mesmo ele, jamais tivera coragem de adentrar o prédio, pois havia muitas histórias horríveis sobre aquele local. 
Histórias que falavam de suicídios, choques elétricos, aprisionamentos em solitárias, serial killers em camisas de força que eram jogados para todo o sempre em celas não-acolchoadas, para que batessem suas cabeças contra a parede até que morressem com as mesmas arrebentadas.

Até que a modernidade veio, questionando os métodos de ‘cura mental’ usados naquele manicômio, que acabou sendo desativado. 

Todos se foram: loucos, médicos, enfermeiros. Mas havia uma única cela, na qual ninguém jamais entrava; a comida e a água eram empurradas para dentro através de uma abertura na base da porta de ferro. Se alguém olhasse para dentro, através da nesga de vidro, veria lá um homem solitário, de cabelos desgrenhados, unhas compridas e pontudas, olhos vermelhos e injetados. Cumpria sua pena como o louco que assassinara mais de vinte mulheres. Era um serial killer perigoso. 

Seu nome? O mais comum e confiável possível: Justino. Mais conhecido como Justino, o Matador. 


O último enfermeiro que tentara dar-lhe um banho, acabou perdendo o nariz, que ficou entre os dentes de Justino. Uma das enfermeiras, ao tentar dar-lhe uma injeção calmante, fora estrangulada. Ele conseguia soltar-se das camisas de força que o prendiam, tal a sua enorme agilidade e força física. Mesmo quando ele era alvejado, de longe, por tranquilizantes, como se fosse um animal selvagem, o efeito dos mesmos era muito mais curto do que em pessoas normais. 

Por que não o deixavam morrer, como faziam com vários outros? Porque Justino era filho adotivo de um magnata do petróleo, que pagava caro para que ele fosse mantido vivo. Este magnata era tutor do rapaz, e enquanto ele permanecesse vivo, receberia uma imensa fortuna, que seria imediatamente doada à caridade em ocasião de seu passamento. 

Assim, a lenda de Justino, O Matador, corria pelos corredores do hospital. Ninguém se atrevia a chegar perto dele, e decidiram que fariam apenas o mínimo para que ele permanecesse vivo. 
Mas um belo dia, o magnata, pai adotivo de Justino e seu tutor, faleceu de um ataque cardíaco. Assim, a fortuna de Justino foi doada para a caridade, como deveria ser. Isto ocorreu pouco antes da desativação do manicômio, e Justino, sem o seu ‘desinteressado protetor,’ ficou cada vez mais esquecido. 

Às vezes, esqueciam-se até mesmo de alimentá-lo, e seus gritos de fome ecoavam pelo hospital. Quando, finalmente, as portas fecharam, acabaram esquecendo-se dele. Ou teria sido um esquecimento proposital? Teria sido uma vingança, perpetrada em nome de suas muitas vítimas inocentes? 


Justino pereceu lentamente em sua cela, de fome, frio e sede. De nada adiantou-lhe gritar, pois não havia ninguém para ouvi-lo. O corpo , ou seja, o que restou dele, foi encontrado muitos anos depois, por um grupo de garotos que brincavam nas ruínas do hospital. Ninguém mais se lembrava dele, e seus ossos foram sepultados em uma cova coletiva. 

Mas o que ninguém sabia, é que sua alma doente e aprisionada ainda vagava por ali, presa para sempre entre as paredes em ruínas do manicômio. Como companhia, apenas as mesmas almas atormentadas que com ele conviveram. 



6 comentários:


  1. Puxa, até parece roteiro de filme de terror.
    Adoro filmes da espécie (rsrs).

    Beijo.

    ResponderExcluir

  2. Ótimo roteiro para um filme de suspense ou de terror. Gosto deste tipo de filme e a leitura foi bem envolvente.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh, isto foi um grito, tá?Quando cheguei ao final do conto e vi essa fogura medonha... affff...

    Gosto de filmes e contos de terror, Ana e já escrevi alguns.
    Daria um bom curta esse conto!
    bacios

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito do conto e da realidade que ele retrata. Não só a realidade material do abandono, de maus tratos, mas a realidade espiritual: não adianta matar o corpo, a alma é imortal.

    ResponderExcluir
  5. Gosto muito de contos e filmes do gênero. Até acredito que existam essas almas aprisionadas em cantos solitários. Bjs.

    ResponderExcluir
  6. EU QUERO OUTRO DESTE, MAS UM QUE ELE VENHA PEDIR AJUDA AS PESSOAS QUE PELAS PAREDES PASSAREM. ADOROOOO, E ADOREI MAINDA ESSE SORRISINHO LINDO DO FINAL,KKKKK!

    BJS, TU ÉS MEGA ESCRITORA, JUNTA TDOS DE TERROR E FAÇA OUTRO LIVRO!!

    SEREI A PRIMEIRA A COMPRAR. BJS!

    PATTY.

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE EU CONEI Capítulo 13

 CAPÍTULO 13 Achei estranho que o sol parecia nunca se por naquele lugar, e perguntei sobre isso. Imediatamente, começou a escurecer, e lind...