quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Trago a Pessoa Amada em Sete Dias!




Clarita andava pela rua como num transe pré-apocalíptico: cabelos desgrenhados, barra da camisa desleixadamente caindo para fora do cós da calça, rímel borrado, formando um círculo negro sob os olhos, dedos amarelados de nicotina - e ela nem fumava, antes daquele triste evento. É que Pablo, seu noivo de muito tempo (treze anos) a tinha deixado. Bem, dizem mesmo que o número treze dá azar... e ela seguia pelas ruas, meditando no poder daquele número fatídico, quando, ao virar a esquina, depara com um cartaz discreto colado em um poste:

"Trago a pessoa amada em sete dias. Desfaço mandingas de qualquer tipo, consigo emprego, vejo o passado e o futuro. Marcar hora com Madame Zora - tel: 2171-1313."

Clarita hesitou por um breve momento, olhando o anúncio colado ao poste. Espantou-se com a coincidência do número do telefone: 1313. O mesmo número de anos do noivado desfeito. Depois, pareceu cair em si, olhando para os lados disfarçadamente, preocupada com o ridículo de ser vista olhando tal anúncio. 

Tratou de ir andando. Mas não se esqueceu do telefone de Madame Zora - e a lembrança daquele nome místico, em volta de vários números treze, fizeram com que ela tivesse mais  uma escura noite em claro. Imaginava o rosto da vidente - alguém de longos e oleosos cabelos negros, unhas compridas pintadas de vermelho berrante, uma pinta no canto da boca, sobrancelhas grossas e arqueadas, muitas joias espalhadas pelos dedos, braços e pescoço, enfim, o retrato de uma cigana.

Tentou esquecer o assunto, mas alguns dias depois, sua amiga Vivi veio contar-lhe a novidade:

-Soube não? Pablo está para casar-se.

Sentiu o impacto da notícia em seu peito, como uma forte martelada.

-O que?! Como assim? Quando? E... e... com quem?!

-Com a secretária. Dizem que eram amantes há muito tempo. Só estou te contando porque quero o seu bem - Vivi disse, maliciosamente.

Clarita fingiu não se importar, mas quando Vivi desceu a ladeira e virou a esquina, sua fúria veio à tona: logo Janete, a secretária, aquela loura lambida (bem, não era tão lambida assim) que lhe oferecia café e revistas quando ela ia ao escritório de Pablo? Aquela fingida, que desmanchava-se em gentilezas enquanto a apunhalava pelas costas? Aquela periguete invejosa, que lhe tomava o homem sem dó nem piedade, enquanto dirigia-lhe um sorriso amarelo?

Clarita esqueceu-se de toda a culpa do ex-noivo, fazendo dele uma vítima inocente arrebatada pelas garras da loura macumbeira. Mas ela o teria de volta em até sete dias! Pegou o celular e discou o número de Madame Zora, marcando horário para aquela mesma tarde.

Arrumou-se muito bem - afinal, não queria parecer uma mulher frustrada e desesperada, e sim uma amante carinhosa e compreensiva que queria apenas salvar o noivo e resgatar seu verdadeiro amor. 

Ao chegar no local marcado - uma quitinete em Copacabana - surpreendeu-se ao ver que a porta abriu-se com um rangido assim que ela ergueu a mão para bater. Nem viu a câmera escondida na quina do batente. Ficou realmente impressionada ao entrar, e ver de pé no meio da sala decorada de roxo e preto, uma senhorinha baixinha e encurvada, com mais rugas do que sua falecida bisavó. Não era nada do que ela pensava!

Foi convidada a sentar-se. A velhinha - Madame Zora - sentou-se diante dela, pegando um maço de Tarô ensebado, acendendo um incenso nauseabundo e respirando profundamente algumas vezes, parecendo recitar uma prece estranha em alguma língua esquisita. Finalmente, depois daquele ritual, olhou para ela, perguntando:

-O que posso fazer por você, filha?

Clarita pareceu confusa, escolhendo bem as palavras a fim de causar uma boa impressão. Se a mulher fosse uma falsa vidente, não ia tirar partido de seu desespero.

-Bem, eu...
Madame Zora  interrompeu-a, semi-cerrando os olhinhos já pequenos:

-Já sei... é homem, não é?
-Como?
-Homem. Você está aqui por causa de um homem... eu o vejo... hum...

Clarita despejou-se imediatamente, esquecendo toda a sua dignidade:

-É isso mesmo! A senhora é boa, hein? 

E contou-lhe sua história triste. Falou de todas as vezes em que Pablo a havia traído , mas que nunca era nada sério, e que ele sempre voltava aos seus braços; contou-lhe também sobre uma ou duas vezes em que ele havia lhe batido- por culpa dela-, mas que pedira desculpas; contou-lhe do casamento várias vezes marcado e desmarcado, pois dias antes da data marcada, ele sempre caía doente (devia ser macumba daquelazinha). 

 Uma hora depois, Madame Zora estendia-lhe um lenço de papel, onde Clarita assoou o nariz. Feliz da vida, Clarita entregou-lhe duas notas de cem reais, deixando o recinto com o coração cheio de esperança.

Três dias se passaram. Nada. 

No quarto dia, enquanto olhava a vitrine de um grande magazine, Clarita viu sua rival escolhendo lençóis e toalhas para seu enxoval. Ficou furiosa ! Mais ainda, ao ver Pablo pagar tudo com o seu cartão de crédito - e lembrou-se que ainda não tinham separado as contas. No décimo dia, a fatura do cartão chegou, e ela, como titular, teve que pagar a conta exorbitante do enxoval do seu ex-noivo com a periguete. 

Alguns dias depois, Clarita voltou à casa de Madame Zora, dizendo que queria o seu dinheiro de volta.

-Sua velha trambiqueira! Você  promete trazer a pessoa amada de volta em sete dias! Quinze dias já se passaram, e nada!  O bandido ficou noivo de outra, e ainda fez o enxoval Às minhas custas! Quero o meu dinheiro de volta!

Madame Zora, olhando-a através de seus olhinhos semicerrados, deu um sorriso irônico, e respondeu:

-É verdade. Eu prometo trazer a pessoa amada em sete dias. Mas pelo que posso perceber, ele não é mais a sua pessoa amada.



5 comentários:

  1. Delicioso!
    E Clarita nem desconfia da sorte que teve ... mesmo tendo de pagar o enxoval!

    ResponderExcluir
  2. Viajei fui longe ,sonhei vi o filminho da Clarita,que acontece
    de verdade estas situações.AFelicidade está em nós,e as vezes não a reconhecemos.Parabéns um ótimo conto,Ana,Bjus\Flor*

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkkkk
    Esse nem merecia as lágrimas dela. Deveria estar sorrindo por se livrar dele . Muito bom, Ana! Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Muito boa, Ana! Realmente "Madame Zora" acertou. Amado coisíssima nenhuma...
    Abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  5. ZORA NAO ACERTOU EM NADA ELA APENAS MOSTROU QUE ELE NAO ERA MAIS O AMADO.INDEPENDENTE, ELA PROMETEU E NÃO CUMPRIU DE TRAZER O AMADO DE VOLTA. ELA SE DEIXOU LEVAR PELO O RACIOCINO INTELIGENTE DA ZORA.FICANDO COM SEU DINHEIRO..KKKKKKKKKKKKKK

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar-me. Adoraria saber sua opinião. Por favor, deixe seu comentário.

AS ESTRELAS QUE EU CONEI Capítulo 13

 CAPÍTULO 13 Achei estranho que o sol parecia nunca se por naquele lugar, e perguntei sobre isso. Imediatamente, começou a escurecer, e lind...